terça-feira, 12 de agosto de 2008

Casa do Grito

A casa de pau-a-pique foi erguida na segunda metade do século XIX e constitui um dos últimos exemplares desse tipo de construção na cidade de São Paulo. O local era residência e servia de pouso de viajantes e de venda de mercadorias e localizava-se em trecho da antiga Estrada das Lágrimas (antigo Caminho do Mar).
Até 1887 a casa pertenceu a Guilherme de Moraes e sua mulher, que nesse ano venderam a casa para Bartholomeu Gusmão.
Em 1991, a casa encontrava-se em ruínas e era utilizada como cocheira, ela foi vendida para a família Tavares de Oliveira, que após reforma, foi usada como moradia. A prefeitura desapropriou, em 1936, para transformar em monumento comemorativo de proclamação da independência.
Entre 1986 e 1888, em Florença, na Itália, o pintor Pedro Américo confeccionou a obra “Independência ou Morte” (exposta no Museu Paulista da USP) e incluiu a casa de pau-a-pique na paisagem. Daí o nome “Casa do Grito”.