quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Biblioteca reabre reformada para leitores do Ipiranga

Kassab entregou espaço que agora conta com acessibilidade total. O Programa de Reforma de Bibliotecas renovou 70% das unidades da Secretaria de Cultura




O prefeito Gilberto Kassab participou na manhã desta terça-feira (4) da cerimônia de reabertura da Biblioteca “Roberto Santos”, localizada no bairro do Ipiranga, Zona Sul. As obras realizadas no espaço integram o Programa de Reforma de Bibliotecas, que investiu R$ 15 milhões para promover melhorias em 41 das 60 unidades administradas pela Secretaria Municipal de Cultura. Até o momento, 39 reformas já foram concluídas e a revitalização das duas últimas bibliotecas será finalizada ainda neste ano.



“Estamos deixando um legado cultural muito importante para a cidade. Um legado de novas transformações, novos equipamentos, novos programas, além de reformas e ampliações das bibliotecas do município”, disse. “Tudo isso é fruto de um trabalho da nossa gestão no sentido de levar para o cidadão o lazer, a informação e a cultura dentro de um ambiente totalmente modernizado”, acrescentou Kassab.



Com investimentos de R$ 526 mil, as obras da Biblioteca Roberto Santos contemplaram a substituição de 60% do telhado, instalação de novas redes de hidráulica e elétrica, reforma dos banheiros, além de total acessibilidade com a construção de rampas, banheiros adaptados e colocação de plataforma elevatória. O secretário de Cultura, Carlos Augusto Calil, lembrou que esta é a segunda reforma que a unidade recebe. “A primeira reforma aconteceu em 2008, quando instalamos uma sala temática de cinema. Agora cuidamos da parte estrutural do prédio”, completou.



Localizada na Rua Cisplatina, nº 505, a Biblioteca Roberto Santos funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, e aos sábados, das 9h às 16h. Seu acervo é formado por 45 mil títulos. A biblioteca conta com salas de livros circulantes, sala de leitura, espaço temático, sala infanto-juvenil e um cinema com 68 lugares onde são exibidos clássicos nacionais e internacionais. O espaço recebe 1.800 leitores por mês.



A rede de bibliotecas do município recebe mensalmente 1,5 milhão de visitantes e empresta em torno de 1 milhão de livros. São Paulo possui a maior rede de bibliotecas do Brasil, com 105 unidades no total, das quais 60 estão sob a administração direta da Secretaria Municipal de Cultura e outras 45 administradas pela Secretaria de Educação nos Centros de Educação Unificados (CEUs). A prefeitura também garante o acesso aos livros com 14 Pontos de Leitura, 12 veículos do Projeto Ônibus Biblioteca e 11 Bosques de Leitura.



Modernização do acervo público municipal



Além da renovação da estrutura física dos equipamentos, desde 2005 a Prefeitura também investe na atualização e modernização do acervo público municipal. Nos últimos anos, a Prefeitura utilizou R$ 11,3 milhões na aquisição de mais de 600 mil livros. Outra iniciativa, inédita no Brasil, foi a informatização integral do acervo das bibliotecas. A digitalização, iniciada em 2005 e recentemente concluída, compreendeu o registro e a avaliação item a item. O trabalho colocou à disposição da população o catálogo de todos os livros para consulta eletrônica. Assim, um leitor consegue, por meio da internet, pesquisar os títulos disponíveis nas unidades e ainda solicitar empréstimos em vários equipamentos com o mesmo cadastro.



Reforma da Biblioteca Mário de Andrade



A Prefeitura investiu R$ 16,3 milhões na reforma e modernização da Biblioteca Mário de Andrade, a primeira pública da cidade e segunda maior do país. As obras, iniciadas em 2007 e concluídas em 2011, receberam recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O prédio principal da biblioteca é tombado e conta com 12.032 m². Foi projetado pelo arquiteto francês Jacques Pilon na década de 1930 ao estilo art déco.



Os trabalhos incluíram a recuperação da fachada, a impermeabilização das lajes da cobertura, a modernização das redes internas de infraestrutura lógica e elétrica e a implantação de soluções de acessibilidade universal. Para abrigar melhor a coleção, foram readequados os andares de armazenamento do acervo com mecanismos de proteção ambiental e houve a ampliação da área para obras raras e de artes, além do restauro dos móveis originais.



A primeira etapa do plano foi concluída no primeiro semestre de 2010 com a construção de mezanino para a guarda do acervo da Biblioteca Circulante, reaberta com acesso independente. Na segunda etapa, finalizada em 2011, houve a reconstituição das três mais importantes salas da área de consulta: atualidades, artes, obras raras e coleção geral, colocando novamente à disposição para consultas mais de 327 mil livros da coleção geral, dentre os quais 51 mil considerados raros ou especiais. Entre 2010 e 2012, a Biblioteca também adquiriu aproximadamente 11 mil novos exemplares.

  veja video:
vídeo